Arquivos

Grupo A, mais detalhes

Grupo A, de ANNA KOURNIKOVA

Tenista russa nascida em 1981. Quando era criança, seus pais venderam uma televisão para poder presenteá-la com sua primeira raquete de tênis. Começou a praticar o esporte e seguir com os estudos simultaneamente. Aos onze anos, mudou-se com a mãe para a Flórida, nos EUA, para se aperfeiçoar com um treinador conceituado. A partir daí, começou a participar e vencer diversos torneios e sua carreira decolou. Paralelamente, dedicou-se à publicidade, participando como modelo em campanhas para diversas marcas conceituadas e aparecendo na capa de inúmeras revistas. Se aposentou em 2003.

Rússia, Arábia Saudita, Egito e Uruguai

Rússia
Muito instável em todos os setores, país-sede, não se classificaria se tivesse disputado Eliminatórias, poucas chances de passar mesmo no grupo teoricamente mais fácil.
3-4-2-1 como padrão tático de jogo, técnico Stanislav Tchertchesov desde 2016 e dirigiu equipes russas como Légia Varsóvia e Dínamo Moscou.
Time-base russo: Akinfeev; Dzhikiya, Vasin e Kurdryashov (linha de três zagueiros com um líbero); Samedov, Kombarov, Chichkin e Glushakov (meio mais marcador); Golovin, Smolov e Zhirkov.
Veterano goleiro irregular Akinfeev (35), líbero Vasin do CSKA Moscow, a dupla pelos lados do meio Samedov e Kombarov do Spartak Moscow, o atacante Zhirkov do Zenit e meia-atacante Golovin do CSKA.
Como opções, destacam-se: atacante Poloz do Zenit, veterano meia Bukharov do Rostov.

Arábia Saudita
Talvez a mais fraca do grupo, embora tenha chances reduzidas diante dos demais. Chegam duro na marcação, como os russos acima. Talvez a pior partida de abertura de Mundial da história contra os donos da casa!
O 4-1-4-1 badalado do experiente treinador Vahid Halilhodžić que já dirigiu Japão, Bósnia. Bem fechada na defesa, postura ofensiva de contra-ataques.
Abdullah Al-Mayouf; Yasser Al-Shahrani, Osama Hawsawi, Hawsawi e Mansoor Al-Harbi; Abdullah Otayf; Yahya Al-Shehri, Nawaf Al Abed, Salman Al-Faraj e Taisir Al-Jassim; Mohammad Al-Sahlawi.
Base do Al-Hilal, com alguns jogadores do Al-Nassr e do Al-Ahli.
Destaques: meia Al-Sahlawi (Al-Nassr), Otayf (Al-Hilal) que chega forte na marcação e o versátil Al-Shahrani.
O jovem atacante Fahad Al-Muwallad (Itihad) é bem veloz e costuma fazer gols importantes quando entra.

Egito
O 4-2-3-1 do argentino Héctor Cúper – que se desentendeu com Ronaldo na Inter de Milão – prioriza a defesa com contra-ataques (uma característica marcante deste grupo). Considero, ao lado Uruguai, os dois possíveis classificados desta chave. Classificação heróica, na figura de seu grande jogador e meia-atacante Mohamed Salah do Liverpool (ING).
Essam El-Hadary (goleiro mais velho da Copa, 44 anos); Ahmed Fathy, Ramy Rabia, Ahmed Hegazy e Mohamed Abdel-Shafy; Mohamed Abdel-Shafy e Tarek Hamed; Mohamed Salah, Saleh Gomaa e Ramadan Sobhi; Ahmed Hassan Koka.
Além de Salah, outros 3 jogadores que disputam a Premier League são destaque: zagueiro Hegazy (West Bromwich), volante Elnery (Arsenal) e meia Sobhi (Stoke City). O atacante Koka joga no Sporting Braga de Portugal.
Como opções: o defensor Ahmed Al-Muhammadi (Aston Villa-ING) e o jovem atacante Mahmoud Hassan.

Uruguai
Do técnico mais longevo de seleções em atividade, Óscar Tabárez, que aposta na sua dupla de ataque Suárez e Cavani (uma das maiores do futebol mundial) e num conservador 4-4-2 com laterais e volantes que ajudam muito na marcação, porém, um time de veteranos que não possuem a mesma velocidade e preparo físico de outrora. Fica com a segunda vaga, talvez em primeiro lugar.
Muslera; Cáceres, Giménez, Godín e Gastón Silva; Nahitan Nández, Álvaro Gonzalez, Matías Vecino e Cristian Rodrigues; Luis Suárez e Edinson Cavani.
Além da dupla badalada de ataque, destaques para a experiente dupla de zaga do Atlético de Madrid (ESP) Giménez e Godín, o volante Nahitán Nández (Boca-ARG) e e Matías Vecino (Inter de Milão-ITA).
Opções como o atacante Cristhian Stuani (Girona-ESP) e muitos veteranos como os meias Maxi Pereira e Nicolás Lodeiro, zagueiro Coates e volante “brucutu” Arévalo.

TwitterFacebookEmailPocketGoogle+Compartilhar

É preciso saber viver

Philippe Coutinho, hoje, para mim, melhor futebolista brasileiro de maiores recursos técnicos e táticos; nas decisões de sua carreira, deixou muito a desejar enquanto mudança de clube justamente no seu melhor momento no Liverpool: marca, identidade, história, conclusão de jornada no protagonismo do retorno do clube inglês à elite da Champions League por conta de um sonho imediatista que o levará a apenas disputar o campeonato espanhol e não estar no ciclo vitorioso do clube que o projetou como estrela. Triste!

Bolas… e letras russas

Sorteio da Copa do Mundo Rússia 2018, brincando com as letras hoje.
Nos próximos dias, dissecaremos melhor cada grupo em cada coluna.

ANNA KOURNIKOVA
Tenista russa nascida em 1981. Quando era criança, seus pais venderam uma televisão para poder presenteá-la com sua primeira raquete de tênis. Começou a praticar o esporte e seguir com os estudos simultaneamente. Aos onze anos, mudou-se com a mãe para a Flórida, nos EUA, para se aperfeiçoar com um treinador conceituado. A partir daí, começou a participar e vencer diversos torneios e sua carreira decolou. Paralelamente, dedicou-se à publicidade, participando como modelo em campanhas para diversas marcas conceituadas e aparecendo na capa de inúmeras revistas. Se aposentou em 2003.

RÚSSIA (fraquinha de dar dó, país-sede, gastando dinheiro, com alguma chance de passar)
ARÁBIA SAUDITA (pouco pode complicar)
EGITO (melhor que os árabes, pode eliminar russos)
URUGUAI (o provável campeão do grupo, muita sorte no grupo mais fácil)

BALALAIKA
A Balalaika ou Balalouka como é conhecida entre os fortes e humildes é uma vodka alucinógena criada antes mesmo da invenção da roda. As escrituras dizem que Deus criou a Vodka Cîroc, e o Diabo viu que era bom, mais não podia fazer melhor, então o Diabo chorou. E de suas lágrimas, foi criada a bebida que daria origem à Balalaika.

PORTUGAL (parece fácil, mas tem Marrocos)
ESPANHA (campeã da chave, incontestável!)
MARROCOS (rivaliza segunda vaga com os lusos)
IRÃ (raríssimas chances)

CATARINA II (a Grande)
Catarina subiu ao poder após uma conspiração que depôs o seu marido, o czar Pedro III (1728 – 1762), e o seu reinado foi o ponto alto da Nobreza Russa. Apesar das amizades de Catarina com os intelectuais do Iluminismo na Europa Ocidental (em particular Denis Diderot, Voltaire e Montesquieu), a imperatriz não achava prático melhorar as condições de vida dos seus súbditos mais pobres que continuavam a sofrer (por exemplo) de conscrição militar.

FRANÇA (quase primeira do grupo, Dinamarca pode duelar)
AUSTRÁLIA (conhecer a Rússia)
PERU (que bom que voltou 32 anos depois, mas só voltou)
DINAMARCA (segunda do grupo, podendo ir mais além)

DOSTOIÉVSKI, Fiódor
Escritor, filósofo e jornalista do Império Russo. É considerado um dos maiores romancistas e pensadores da história, bem como um dos maiores “psicólogos” que já existiram (na acepção mais ampla do termo, como investigadores da psiquê)

ARGENTINA (coitada, não poderia ter sido pior. Chances iguais de passar e sair)
ISLÂNDIA (pode bagunçar o grupo)
CROÁCIA (a mais técnica, chances iguais aos portenhos e os nigerianos)
NIGÉRIA (quase uma incógnita do melhor africano, pode surpreender até em primeiro lugar)

ENGELS, Friedrich
Teórico revolucionário alemão que, junto com Karl Marx fundou o chamado socialismo científico ou marxismo. Ele foi coautor de diversas obras com Marx, sendo que a mais conhecida é o Manifesto Comunista.

BRASIL (enfrenta retranca suíça e a habilidade sérvia. Classifica, provavelmente em primeiro da chave. Não pode vacilar ficando em segundo para não correr risco de enfrentar eventualmente Alemanha logo nas oitavas no “mata” e ir embora mais cedo)
SUÍÇA (ima das defesas mais fortes da Europa, mas pouca produtividade ofensiva)
COSTA RICA (sem chance nenhuma)
SÉRVIA (o oposto da Suíça, melhor conjunto que os helvéticos)

FABERGÉ (ovos)
Os ovos Fabergé são obras-primas da joalharia produzidas por Peter Carl Fabergé e seus assistentes no período de 1885 a 1917 para os czares da Rússia.

ALEMANHA (favorita ao primeiro lugar)
MÉXICO (pode complicar para os europeus)
SUÉCIA (retranca e grande goleiro, deve chamar os empates do grupo)
CORÉIA DO SUL (chances quase nulas)

GAGARIN, Yuri
Cosmonauta soviético e o primeiro homem a viajar pelo espaço, em 12 de abril de 1961 a bordo da Vostok 1.

BÉLGICA (a sensação de jovens vai vingar em 2018? Rivaliza com os ingleses. Passa de fase)
PANAMÁ (veio participar e conhecer o que é um Mundial)
TUNÍSIA (pode arrancar pontos dos europeus com empates)
INGLATERRA (deve passar e honrar a péssima campanha de 2014, talvez em segundo)

HELENA BLAVATSKY (Madame)
Prolífica escritora russa, responsável pela sistematização da moderna Teosofia e co-fundadora da Sociedade Teosófica.

POLÔNIA (não terá vida fácil nos dois primeiros jogos)
SENEGAL (complicados)
COLÔMBIA (pode ir longe, equipe e treinador há muito tempo junto)
JAPÃO (mais fraco da chave)

Página 1 de 17012345...102030...Última »