Arquivos

Colunas

Bolas… e letras russas

Sorteio da Copa do Mundo Rússia 2018, brincando com as letras hoje.
Nos próximos dias, dissecaremos melhor cada grupo em cada coluna.

ANNA KOURNIKOVA
Tenista russa nascida em 1981. Quando era criança, seus pais venderam uma televisão para poder presenteá-la com sua primeira raquete de tênis. Começou a praticar o esporte e seguir com os estudos simultaneamente. Aos onze anos, mudou-se com a mãe para a Flórida, nos EUA, para se aperfeiçoar com um treinador conceituado. A partir daí, começou a participar e vencer diversos torneios e sua carreira decolou. Paralelamente, dedicou-se à publicidade, participando como modelo em campanhas para diversas marcas conceituadas e aparecendo na capa de inúmeras revistas. Se aposentou em 2003.

RÚSSIA (fraquinha de dar dó, país-sede, gastando dinheiro, com alguma chance de passar)
ARÁBIA SAUDITA (pouco pode complicar)
EGITO (melhor que os árabes, pode eliminar russos)
URUGUAI (o provável campeão do grupo, muita sorte no grupo mais fácil)

BALALAIKA
A Balalaika ou Balalouka como é conhecida entre os fortes e humildes é uma vodka alucinógena criada antes mesmo da invenção da roda. As escrituras dizem que Deus criou a Vodka Cîroc, e o Diabo viu que era bom, mais não podia fazer melhor, então o Diabo chorou. E de suas lágrimas, foi criada a bebida que daria origem à Balalaika.

PORTUGAL (parece fácil, mas tem Marrocos)
ESPANHA (campeã da chave, incontestável!)
MARROCOS (rivaliza segunda vaga com os lusos)
IRÃ (raríssimas chances)

CATARINA II (a Grande)
Catarina subiu ao poder após uma conspiração que depôs o seu marido, o czar Pedro III (1728 – 1762), e o seu reinado foi o ponto alto da Nobreza Russa. Apesar das amizades de Catarina com os intelectuais do Iluminismo na Europa Ocidental (em particular Denis Diderot, Voltaire e Montesquieu), a imperatriz não achava prático melhorar as condições de vida dos seus súbditos mais pobres que continuavam a sofrer (por exemplo) de conscrição militar.

FRANÇA (quase primeira do grupo, Dinamarca pode duelar)
AUSTRÁLIA (conhecer a Rússia)
PERU (que bom que voltou 32 anos depois, mas só voltou)
DINAMARCA (segunda do grupo, podendo ir mais além)

DOSTOIÉVSKI, Fiódor
Escritor, filósofo e jornalista do Império Russo. É considerado um dos maiores romancistas e pensadores da história, bem como um dos maiores “psicólogos” que já existiram (na acepção mais ampla do termo, como investigadores da psiquê)

ARGENTINA (coitada, não poderia ter sido pior. Chances iguais de passar e sair)
ISLÂNDIA (pode bagunçar o grupo)
CROÁCIA (a mais técnica, chances iguais aos portenhos e os nigerianos)
NIGÉRIA (quase uma incógnita do melhor africano, pode surpreender até em primeiro lugar)

ENGELS, Friedrich
Teórico revolucionário alemão que, junto com Karl Marx fundou o chamado socialismo científico ou marxismo. Ele foi coautor de diversas obras com Marx, sendo que a mais conhecida é o Manifesto Comunista.

BRASIL (enfrenta retranca suíça e a habilidade sérvia. Classifica, provavelmente em primeiro da chave. Não pode vacilar ficando em segundo para não correr risco de enfrentar eventualmente Alemanha logo nas oitavas no “mata” e ir embora mais cedo)
SUÍÇA (ima das defesas mais fortes da Europa, mas pouca produtividade ofensiva)
COSTA RICA (sem chance nenhuma)
SÉRVIA (o oposto da Suíça, melhor conjunto que os helvéticos)

FABERGÉ (ovos)
Os ovos Fabergé são obras-primas da joalharia produzidas por Peter Carl Fabergé e seus assistentes no período de 1885 a 1917 para os czares da Rússia.

ALEMANHA (favorita ao primeiro lugar)
MÉXICO (pode complicar para os europeus)
SUÉCIA (retranca e grande goleiro, deve chamar os empates do grupo)
CORÉIA DO SUL (chances quase nulas)

GAGARIN, Yuri
Cosmonauta soviético e o primeiro homem a viajar pelo espaço, em 12 de abril de 1961 a bordo da Vostok 1.

BÉLGICA (a sensação de jovens vai vingar em 2018? Rivaliza com os ingleses. Passa de fase)
PANAMÁ (veio participar e conhecer o que é um Mundial)
TUNÍSIA (pode arrancar pontos dos europeus com empates)
INGLATERRA (deve passar e honrar a péssima campanha de 2014, talvez em segundo)

HELENA BLAVATSKY (Madame)
Prolífica escritora russa, responsável pela sistematização da moderna Teosofia e co-fundadora da Sociedade Teosófica.

POLÔNIA (não terá vida fácil nos dois primeiros jogos)
SENEGAL (complicados)
COLÔMBIA (pode ir longe, equipe e treinador há muito tempo junto)
JAPÃO (mais fraco da chave)

TwitterFacebookEmailPocketGoogle+Compartilhar

O que vamos encontrar na Copa

Exceção à Espanha e Alemanha, jogar contra a seleção brasileira será isso: postura altamente defensiva dos adversários.
Como o fizeram os desfalcados ingleses que, mesmo sendo um amistoso, se tivessem com seus titulares de ataque lesionados Harry Kane, Delle Ali e Sterling, o jogo ficaria mais aberto e correriam mais riscos que os tão poucos que sofreram em apenas três chances de gol brasileiras, que dominou mas não concluiu.
Quanto aos defeitos, a ansiedade em vencer o jogo gerou algumas situações abaixo:
1) quase nenhuma ultrapassagem de laterais com Daniel Alves nervoso e Marcelo, este em uma de suas piores partidas e o que errou mais passes;
2) Neymar, sobretudo no primeiro tempo, teve duas oportunidades de passar a bola para um companheiro melhor colocado: Coutinho em uma e Paulinho em outra, melhor posicionados, que poderiam ter resultado em perigoso chute a gol. Quis chutar de qualquer jeito Neymar;
3) Coutinho vem de contusão e não poderia ter jogado esta partida: percebia-se que seu corpo não acompanhava seu raciocínio, ainda mais diante de uma retranca tão forte dos donos da casa que exigia a questão física em dia;
4) Os laterais cumprem um papel tático importante neste esquema e, hoje, ambos foram muito mal;
5) Paulinho precisava chegar mais próximo de Gabriel Jesus como um ponta-de-lança e Renato contar mais com os laterais e os extremas. Neymar precisa ajudar mais na marcação;
6) Tite demorou muito tempo em mexer. A entrada de William no lugar de Coutinho – após o erro de sua escalação hoje – seria essencial que fosse muito mais cedo;
7) Tite levou Diego Ribas para quê? Luan é bem melhor nesta função, deslocando Paulinho para a ponta-de-lança e aumentando a qualidade da chegada ao ataque;
8) Tite levou Giuliano pra quê? Hernanes faz o jogo apoiado tão bem quanto Renato e chega como elemento surpresa, atacando os espaços, com força e excelente finalização;
9) Tite não testou a opção de amplitude de Taison no jogo de hoje, em lugar de Neymar. Douglas Costa, infelizmente, não dá mais;
10) Tite poderia ter testado Firmino pelo lado com Gabriel Jesus também, como o faz o Liverpool com a dupla Saha e o próprio Firmino.
A defesa foi muito bem. Apenas Casemiro precisa controlar sua afobação em alguns lances, mas Marquinhos e Miranda impecáveis e Alisson muito seguro.
Tite começa equilibrando seus setores com o jogo apoiado, compactação e o perde-ganha.
Mas, isto parece consolidado!
Creio que agora começará uma nova fase de aprimoramento ofensivo porque nenhuma seleção – abdicando de jogar, inclusive – jogará contra o rápido e habilidoso Brasil de frente, com as exceções no início desta análise.
Por outro lado, além da alta viabilidade do teste, foi muito importante o resultado final de 0 x 0 para baixar o ufanismo.
Ufanismo que, desde 2006 tem nos prejudicado quando chegamos aos Mundiais, criando uma ilusão de que tudo está bom, seleção pronta, elenco fechado e acomodação!
Isto teve um preço muito alto de anos de preguiça: os 7 a 1 de 2014!
Com certeza Tite e sua competente comissão técnica sabem do trabalho que terão, mas seria importante que Edu e a moralmente falida CBF conseguissem ao menos mais um amistoso contra uma Espanha, por exemplo; além de Rússia e Alemanha marcados para março de 2018.
Honestamente, prefiro assim, consolidando sem ufanismo e com a completa noção da realidade do que encontraremos de nossos adversários na Copa.
Nada é mais importante que a reflexão e arejamento de idéias!

4-3-3 nos testes

O amistoso do Brasil de Tite contra o Japão hoje foi pautado por uma característica: testes.
Tais testes, com seis mudanças no time titular, mudaram o plano tático do 4-1-4-1 do Real Madrid que ele adota – talvez influenciado pelo seu estágio com Carlo Ancelloti – para um 4-3-3 por conta das peças utilizadas.
Num primeiro tempo muito bom ofensivamente e com poucos erros defensivos, o placar de 3 x 0 foi construído com a facilidade que por conta do Brasil atacar os espaços, executar o perde-ganha da bola, recompor rápido e usar a velocidade com amplitude do campo e muita movimentação.
Daí, mais algumas mudanças no segundo tempo e a reorganização da equipe nipônica levaram o jogo – e costuma ser assim diante de tantas mudanças também – para uma partida de nível fraco e com o Japão descontando no marcador.
Total descaracterização na segunda etapa e erros defensivos como de Jemerson no gol de Matiko e Cássio, que não soube aproveitar seu momento.
Falando primeiramente dos atletas que entraram para tentarem fazer parte do grupo dos 23 na Rússia…
Danilo, na lateral-direita, foi o que teve a melhor participação dos postulantes. O “fantasma” de Fagner começa a ser eliminado.
Jemerson não foi nada bem na zaga. Dos que disputam vaga com ele, Gil já está descartado e Rodrigo Caio em declínio técnico. Geromel poderia ser chamado.
Thiago Silva foi bem, mas deverá ser o reserva imediato de Marquinhos e Miranda.
Fernandinho foi razoável, mas deverá ser reserva de Casemiro. Sou a favor de repetir a dupla com os desfalcados ingleses dia 14/11 em Wembley. Renato Augusto cumpre melhor a função de chegada, mas a fase do meia do Manchester City demanda mais oportunidades de titular. Entre os 23 sempre esteve!
Já Giuliano, atualmente no Fenerbahçe – complicada negociação de transferência – foi pouco produtivo na vaga do titular Paulinho. Nesta vaga, a pressão por Hernanes é muito grande na suplência ao meia do Barcelona! Claro que Luan do Grêmio será reconvocado na próxima lista de amistosos e, neste função, pode contribuir e muito! Eu levaria os dois e Luan no lugar de um dos chamados “extremas” (Taison e Douglas Costa disputam esta vaga).
Ganharíamos em opções polivalentes e de qualidade técnica ascendente.
E William é a sexta opção como titular, também muito garantido na Copa. Com ele, o sistema muda para 4-3-3. Com Coutinho, volta o 4-1-4-1, um pouco resumidamente.
Dos que entraram no segundo tempo, Cássio não foi bem e não sabe jogar com os pés e não tem um bom tempo de saída da área. Se fosse com ele no primeiro tempo, o Japão teria feito um gol em contra-ataque que Alisson rapidamente saiu do gol e interviu de cabeça. Vanderlei é melhor como terceira opção! Alisson e Ederson estão consumados!
Infelizmente, pelo destino das contusões de Filipe Luis, Alex Sandro vem ganhando, merecidamente, a disputa para a reserva de Marcelo. Já Renato Augusto ainda sofre por jogar na China, mas está bem mais adaptado ao esquema tático que Fernandinho.
Taison foi um pouco melhor que Douglas Costa, nesta disputa na última vaga do ataque brasileiro, mas prefiro dar a opção de levar Hernanes e Luan em seus lugares e de Giuliano, na lista de 23, uma vez que Paulinho, Neymar, Coutinho, Gabriel Jesus e William fecham a conta.
Já Diego Souza não é a melhor alternativa. Firmino deverá ter chance como “9” contra os ingleses e é bom jogador. É esperar!
Mas, diante da minha proposta de plantel e testes, diante de uma eventual contusão ou suspensão de Gabriel Jesus, por que não testar Paulinho de ‘falso nove”?
As possibilidades e variações podem e devem ser trabalhadas, em elenco e propostas de jogo, que nunca, em nossa história – e neste futebol moderno – nunca tivemos!

Página 1 de 14512345...102030...Última »