Arquivos

Dárcio Ricca

Consolidar é preciso

A convocação de Tite para os bons amistosos de novembro ante Japão (10/11, Lille-FRA, logística) e Inglaterra (14/11, histórico Wembley, mesmo reformado) teve 25 jogadores chamados, principalmente dois atacantes a mais, de acordo com a dificuldade de escolher suplentes, não consolidados como Neymar, Philippe Coutinho, Gabriel Jesus e William.

Firmino vem bem no Liverpool e sai na frente para a reserva de Gabriel Jesus. Diego Souza volta a concorrer à esta vaga.

Taison retorna após teste improdutivo com o veterano Tardelli e Douglas Costa volta para disputar com Taison por uma vaga, dentre as opções.

O quarteto Casemiro, Renato Augusto, Paulinho e Fernandinho se consolidam.

Giuliano, agora na Turquia, e de confiança de Tite, vai tentar garantir sua posição, aos poucos, na convocação final de maio. Neste caso, Arthur, do Grêmio – convocado apenas uma vez – foi apenas poupado por conta dos compromissos do Grêmio na Libertadores? Ser versátil é condição intrínseca para ambos os atletas em competição.

O mesmo se aplica na disputa entre o experiente Diego – ótima jornada pelo Flamengo nesta semana – e Luan do Grêmio, bem mais versátil.

Os quatro representantes zagueiros estão se mantendo firmes e de forma justa: Marquinhos, Miranda, Thiago Silva e Jemerson. Não há chances para Geromel e Gil (antes com ótima frequência) e Rodrigo Caio, salvo contusões.

Nas laterais, por mérito, Alex Sandro soube aproveitar a oportunidade da contusão de Filipe Luís e de Marcelo para ganhar competividade em relação ao lateral-esquerdo do Atlético de Madrid.

Danilo, polivalente, conseguiu tirar Fagner da cabeça de Tite, mesmo ainda não atuando nos dois últimos jogos.

Marcelo e Daniel Alves mais que consolidados, assim como os goleiros Alisson e Ederson. Cássio está quase lá, mesmo diante do clamor nacional por Vanderlei como terceiro goleiro, ao menos.

Convocação vai ganhando consistência com a proximidade do Mundial, com a fase de testes praticamente concluída.

Restam as dúvidas dos dois atletas do Grêmio poupados da convocatória e as finalizações de opções variadas de ataque.

A próxima convocação será para jogos contra Rússia em março (23, Moscou) e Alemanha (27, lendária Berlim).

E segue o planejamento, acompanhamento e as águas (de maio!) que ainda passarão pela ponte que liga Granja Comary a Sochi.

 

TwitterFacebookEmailPocketGoogle+Compartilhar

Brasil num bom caminho

Os 3 x 0 do Brasil – que eliminaram os veteranos chilenos da Copa de 2018 – foi construído no segundo tempo pela paciência do jogo coletivo e objetivo, de mínimos erros e alinhamento, da equipe brasileira.

E decidindo nos erros do adversário, do goleiro Bravo por duas vezes, sobretudo na abertura de placar em soltar a bola de Daniel Alves em gol de Paulinho.

Um belo lançamento de Coutinho a Neymar, que serviu Jesus no segundo tento e Bravo indo para o escanteio desesperador que deu o contragolpe para Jesus – na sua casa – fazer o terceiro, com humildade e respeito!

Chile não foi bem dentro de casa e os argentinos – com show de Messi em hat trick – foram beneficiados com esta derrota chilena com a vaga direta.

Messi decidiu e muito para os hermanos, sozinho, com falhas equatorianas na altitude de Quito!

Em tempo: CR7 – com ajuda dos patrícios – também vai jogar o Mundial na Rússia, menos Robben, numa Holanda desmantelada!

Numa rodada repleta de surpresas sulamericanas e muita emoção na vitória e carimbo do Uruguai num jogo maluco de gols-contras; Guerrero de falta (problemas na arbitragem) empata com a Colômbia e coloca o Peru na repescagem moleza contra a Nova Zelândia e James Rodriguez coloca um pé salvador para colombianos comprarem passaporte para Rússia!

Voltando ao Brasil, hoje encerramos as Eliminatórias, em sua última rodada sulamericana, com notas:

Ederson: 7 – nada exigido, mas muito seguro. Bem posicionado, ótima saída de gol e preciso com os pés.

Daniel Alves: 7 – uma de suas melhores partidas, defensiva e ofensivamente.

Marquinhos: 7 – seguro e de ótima saída de bola.

Miranda: 8 – atento e líder do sistema defensivo.

Alex Sandro: 6 – bom jogo, sobretudo na defesa. Prefiro ele a Filipe Luis.

Casemiro: 8,5 – desarmes, cobertura e passes diretos impecáveis.

Renato Augusto: 7 – distribui o jogo consciente e ocupa muito bem os espaços.

(Fernandinho): 6 – jogou pouco, mas deu consistência na marcação, trazendo o time para 4-4-2.

Paulinho: 8,5 – que disposição em fazer tudo em campo!

Philippe Coutinho: 8 – qualidade ofensiva letal.

(William): 8 – mesmo em pouco tempo, traz mais força ofensiva ao Brasil, atuando com muita flutuação.

Gabriel Jesus: 8 – dois gols, muita movimentação, habilidade e força.

Neymar: 8 – partida madura e uso de sua habilidade a serviço do jogo coletivo.

(Firmino): sem nota – perdeu gol pela ansiedade de conquistar seu lugar, ao invés de devolver a William ampliar o placar.

Tite: 8 – poderia ter tirado Neymar e Coutinho bem antes, pelos cartões amarelos recebidos e o nervosismo do Chile pela desclassificação e gangorra de emoções!

Bom caminho e bons amistosos a vista (Japão, Rússia, Inglaterra e Alemanha), antes da convocação final de maio.

Continuar a evolução, manter a atenção e o desejo de jogar na seleção brasileira, planejamento e mais variações táticas e de execução para fazer uma ótima campanha – como um dos principais favoritos – no Mundial do ano que vem!

 

Lampe e o desnecessário

O goleiro boliviano Lampe garantiu o 0 x 0 do placar num jogo em La Paz, totalmente desnecessário.

Não há futebol diante de 3.660 metros de altitude!

Futebol, claro, como se joga hoje em dia: velocidade, compactação, marcação forte, triangulações ofensivas e defensivas, atacar os espaços, ampliação do campo pelas extremas, alternância de posicionamentos, linhas adiantadas e marcação por pressão, entre outras coisas.

Como a seleção brasileira conseguiria executar isso quando nem a bola segue uma trajetória minimamente normal, além da falta de um elemento essencial que é o oxigênio?

Ficamos nas individualidades em 12 grandes defesas do goleiro boliviano Lampe: vai para seu DVD pessoal.

E a Bolívia optou por mudanças no time que beneficiassem jogadores que atuam neste ambiente de altitude.

Tite sim poderia ter feito alterações melhores que as óbvias para este jogo-oficial-teste (leia-se as entradas de William e Fernandinho). Momento pelo menos adequado para se testar Arthur e até Tardelli, mas principalmente o jovem e polivalente talento gremista!

W.O. teria sido mais digno de nota. Por que se expor a esta “prova” que não é “prova” em termos de futebol moderno a ser praticado. As questões físicas? Thiago Silva sentiu em sua contusão, substituído por Marquinhos. Tite faz bem em dar chance a ele, mas não neste jogo surreal!

Puro desperdício de tempo!

Nota: além de Alemanha (hoje classificada) e Japão (já classificado), ótima notícia de amistoso contra Inglaterra (14/11, em Wembley), também classificada com muita competência nesta tarde insossa!

 

Página 3 de 14612345...102030...Última »